22 de maio de 2017

Recriando sentimentos




Aplico sedativos ilusórios na
Esperança ainda inacabada.
Não posso esquecer a responsabilidade,
Pode ser que eu tenha que sofrer para
Ser alguém melhor em quem possa confiar.
Liberta pelos sentimentos que sacrifiquei,
Sem pensar eu os recrio, querendo
Conhecer novamente minha identidade.
As minhas cicatrizes vão me nortear,
Lágrimas cairão e completarão minha esperança.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

10 de abril de 2017

Partes falhas




Passa o tempo
Acaba, recomeça
Rezo, nego, esqueço
Tento em vão
Espero sem razão
Sonho conseguir repouso.

Falta algo em mim
Agindo assim sempre falho
Ludibriada por meus dons
Humana maldição
Assolada, dividida em partes
Sozinha sem resgate



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

8 de março de 2017

O colorido do sangue




Corpo marcado por estigmas
Partido por rosas, espinhos e farpas
Em madeira nobre que despedaça.
Cacos, lascas e sangue que escapa
Chamados e súplicas mudas, mas eu vejo o colorido
De vida desvanecer em tom febril.
Alma que sangra contida na cor que difundiu.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

12 de fevereiro de 2017

Espaço vago




Não espere o relâmpago abater seus sentimentos,
Olhe em volta dos seus pensamentos
Para encontrar aquilo que vai te completar.
As caminhadas são pura ilusão,
Rachaduras na sua frágil razão.
Dos passos que deu, pouco saiu do lugar.
Seus espaços vagos não mudam,
Passos largos só te afundam.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

28 de dezembro de 2016

Pedra do corpo



Relaxa no seu leito,
Esquece-se por um momento.
Perde seu medo,
Olhe o seu corpo desnudo
Úmido de lágrimas,
Sal da sua alma ainda
Algemada no seu erro.

Desce do seu devaneio e
Encara a sua face
Sóbria de veneno.
Pedra solta,
Escorrega do seu olhar
Dissolvendo sua tensão.
Abre agora seu coração,
Caminha na direção certa
Antes de o corpo repousar.



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

12 de novembro de 2016

Tão fascinantes




tão fascinantes...
sinceros ou dissimulados
que curvam percepções
contidos ou arregalados
que dobram sensações
... estes olhares tão fascinantes!




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

15 de outubro de 2016

Calmaria




E na calmaria destes ventos
A tempestade se guarda no silêncio.
No leve caminhar do dia
O caos aguarda o momento.
É possível perder tempo,
Se nunca o tivemos entre os dedos?
E na calmaria desta maré
Barcos jazem náufragos há tempos.
Na espuma das conchas
A palma do mar estapeia as rochas.
É normal ser seduzido
E depois se ver afogar nesta sensação...
E na calmaria aparente do autor
Sentimentos lhe rasgam o coração.
O que é oculto ao olhar
Veste-se com palavras,
Para que, pelo menos, neste momento
Seja perceptível como esta calmaria.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]