9 de dezembro de 2017

Carpete





Ela se escondeu no medo dos lençóis,
Imaginou-se lá fora no gramado.
Naquele momento chorou, mas logo
Negou as lágrimas que rolaram ao carpete.
A luz do quarto acendeu e ela se revelou.

Estava com o revolver em punho,
Tudo tinha uma solução simplista...
Bala recheada de pólvora, o cilindro girou.

As manchas no carpete
Não me deixam mentir.
Noite em que lágrimas viraram sangue.
Insípida de amor e calor,
Ela se derramou ao fim.



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

21 de novembro de 2017

Hazard





Houve um tempo de paz
A paz se mudou daqui
Zelou por nós e se cansou
Alçou vôo em Fevereiro
Riscou o céu de cinza e
Durante dias o fez chorar.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

9 de novembro de 2017

Passou tanto tempo na escuridão




Passou tanto tempo na escuridão
que agora a luz te cega...
Não enxerga o anjo
que lhe deita sobre o ombro...
Não reconhece as palavras amigas,
apenas desconfia da energia
que lhe estende a mão...
E em desespero, paranoia,
deu um tapa na face
da alma com a qual se casou...
Pede perdão, mas é tarde,
o jarro já lhe escorregou das mãos.
Você partiu seu anjo em pedaços!





Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

25 de outubro de 2017

Valete



A tua presença
me conforta
do mesmo modo que
me apavora

O único nome
no meu coração

As minhas horas
são contadas
cada uma
já reservada

A única voz
na minha cabeça

Entre reis e coringas
a minha atenção
é prisioneira
de um valete

A única carta
no meu baralho



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

13 de outubro de 2017

Ainda vivo





A minha mente não se dispersa,
Mas o mundo se dispersa de mim

Toca, toca, ninguém atende
Bate, bate, todos ausentes...

A minha voz não se propaga,
Mas as mentiras se espalham

Avisa, avisa, ninguém ouve
Pede, pede, todos negam...

O meu tempo está se esgotando,
Mas a vida me concede hora extra

Corre, corre, não chega nunca
Morre, morre, ainda vivo...




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

3 de outubro de 2017

3 de Outubro




E aos poucos,
Conforme a tarde
Vai se despindo,
Em mim tudo
Vai se acalmando,
Desiludindo,
Ganhando tom
E perdendo cor,
Tudo bem,
Bem mais simples,
Preto, branco, cinza,
Monocromática eu vejo melhor
Que hoje ainda é o terceiro dia,
Vamos deixar o descontrole
Pra depois, afinal
Outubro acabou de começar...




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

13 de setembro de 2017

Caulim






Cinge o medo em cada um de seus pedaços,
Aplicam-se ilusões furtivamente como calmantes.
Um desejo lhe quebra antes do final,
Lascas se espalham por todos os espaços.
Imagem partida em raiva delirante
Mistura o que foi sonho e o que é real.





Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]